Círculo Vicioso (Machado de Assis)

circulo-vicioso

Elaborada no século XIX e, trazendo à baila a temática da cobiça pela vida alheia, a poesia “Círculo Vicioso”, do livro “Ocidentais”, de Machado de Assis, é cada vez mais atual, especialmente em tempos de Facebook e redes sociais.

 

Bailando no ar, gemia inquieto vaga-lume:

— “Quem me dera que fosse aquela loura estrela,

Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”

Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

— “Pudesse eu copiar o transparente lume,

Que, da grega coluna à gótica janela,

Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela!”

Mas a lua, fitando o sol, com azedume:

— “Mísera! tivesse eu aquela enorme, àquela Claridade imortal, que toda a luz resume!

“Mas o sol, inclinando a rútila capela:

— “Pesa-me esta brilhante auréola de nume…

Enfara-me esta azul e desmedida umbela…

Por que não nasci eu um simples vaga-lume?”

Você também pode se interessar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *